Louca sua miga

sábado, 14 de maio de 2016

O Livro "Probido" é bom? [Resenha]

Livro Proibido
Resenha do Livro "Proibido" da Tabitha Suzuma

Proibido
O livro "Proibido" será a obra da qual vamos falar na resenha de hoje. Vamos lá? Será que o livro é bom?

Introdução do livro "Proibido"

O livro "Proibido" foi escrito pela autora Tabitha Suzuma e publicado no Brasil pela editora Valentina. A obra é considerada um drama, narra sentimentos profundos e denuncia problemas familiares. O livro físico possui 304 páginas de muita emoção e carga emocional profunda. 



"Proibido" e seu enredo

Uma gravidez indesejada inicia uma família da forma mais complicada possível. Após ter quatro filhos, uma mulher é abandonada pelo marido e tenta aproveitar todo o tempo perdido, abandonando seus filhos e curtindo a vida como se fosse uma adolescente.


A partir deste abandono, os irmãos mais velhos, Lochan e Maya, são sobrecarregados com responsabilidade de mãe, pai, irmãos, amigos e toda a complicação da adolescência. Em "Proibido" vemos o abandono de quem não tinha que abandonar e uma luta de quem não tinha que lutar.

Maya e Lochan, com o abandono, tornam-se pai e mãe, praticamente. Para encobrir a irresponsabilidade de sua mãe, como bebida exagerada e abandono de menores indefesos, e não deixar os irmãos serem separados pelo Serviço Social, eles fazem de tudo. E estão dispostos a chegar ao limite. Até ser pai e mãe dos seus irmãos mais novos.

Porém, eles começam a se enxergar como tal, e não como irmãos. E um amor proibido se infiltra em suas estranhas. Maya poderia amar seu próprio irmão como homem? Ele era como homem dentro de casa e agia como um marido para ela, e ela como esposa para ele.  Como mãe para os irmãos mais novos. Mas isso é certo? Esse amor faz a família ficar unida, porém, é bem visto pela sociedade? Será que o amor sempre vence no fim das contas? Todo amor é puro?

O Livro Proibido é bom? Tabitha Suzuma
Eu chorei litros com o livro "Proibido"


Admito que nas primeiras páginas foi difícil digerir a estória. Um nó no meu estomâgo sempre se remexia quando eu lia sobre o amor dos dois irmãos. Ainda mais nas partes que detalhavam algum contato físico. Porém, quando você mergulha no contexto, sofre com as personagens e se revolta com o abandono total dos pais, você perdoa. E luta por eles.

O único ponto negativo que encontrei no enredo foram os machucados a adversidades que aconteciam com os irmãos. Eu entendo que a autora tinha que inserir fatos como "cair da escada" ou "se machucar com uma faca", por exemplo, para demonstrar o quanto a mãe era ausente. No entanto, ela repetiu tanto esses fatos que, ao meu ver, ficou um pouco forçado.

Nas páginas da obra de Tabitha Suzuma nós entendemos que uma coisa completamente errada pode ser a certa para manter uma família unida e feliz.

Admito que eu chorei muito. Demais mesmo. Vocês podem conferir no vídeo Leia Comigo abaixo:


"Proibido" e sua narração

A narração do livro é intercalada entre Lochan e Maya, o que nos dá uma visão quase 360º da estória, e é profunda, cheia de dor e com palavras que nos cortam o coração.

Acredito que o jeito de narrar de Tabitha foi um dos pontos chaves para entendermos e sermos empáticos ao casal. Porque foi através dela, da repetição de Lochan enxergar Maya como mulher e mãe, e não como irmã, e vice-versa, que Suzuma me convenceu e me fez enxergar dessa forma também.

Uma coisa que eu não posso deixar de citar é que durante muitos momentos questionei se a autora não passou por algo parecido em sua vida real. Isso porque a narração foi tão rica em fatos e sentimentos que pareceu real.

"Proibido" e seus personagens

Lochan é um garoto com transtornos psicológicos, muito provavelmente desenvolvidos pela excessiva pressão e responsabilidade. Muitas vezes, vemos Lochan ter atitudes extremas e perder a cabeça por não estar mais suportando toda a situação. E eu quase gritava enquanto lia com medo e com revolta no coração de ler toda essa situação.

Ao meu ver, Lochan é uma das personagens-chave do livro. Ele é forte, está disposto a sacrificar tudo, inclusive sua adolescência, para manter seus irmãos juntos, felizes e unidos.

Por ser mais velho, pela mãe aguardar ansiosamente sua maior idade e por isso ser o ponto chave para a mãe abandonar de vez a família, por ser ele quem tem pulso firme para bater de frente com Tiffin, o terceiro filho adolescente, com 13 anos, e com a mãe, para força-la a dar ao menos o básico a família, acredito que Lochan faz a estória ser ainda mais angustiante e reveladora.

Apesar de Maya também ser protagonista, ela fica em segundo plano, apenas auxiliando Lochan.

O livro físico de "Proibido"

A capa é de uma simplicidade e de uma relação com o enredo esplêndido. A revisão e parte interna estão impecáveis. A revisão está muito bem-feita e a qualidade de impressão também.

O livro "Proibido" é bom? 

Proibido” foi um livro que me fez chorar muito. Me fez remoer sentimentos. Muitas leitoras focaram na quebra-de-tabu da obra. É claro que esse ponto é um tópico completamente importante. Mas eu acredito que o abandono é mais ainda. Foi isso o que mais me revoltou. Me fez chorar. Me fez gritar.

A obra de Suzuma está longe de ser uma leitura fácil. Ele tem uma carga emocional forte, mesmo que nas primeiras páginas mantenha um ritmo linear de emoção. Além disso, é imprescindível que a pessoa tenha mente aberta e esteja disposta a chorar e mergulhar em uma estória que pode muito bem estar acontecendo com seus vizinhos agora mesmo.

Eu recomendo principalmente para pais e mães. Ou pessoas que querem ser pais e mães algum dia. E para leitores que gostem de chorar e mergulhar em estórias que quebram os corações mais duros.

O Livro Proibido é bom? Tabitha Suzuma
Euzinha e meu exemplar da Tabitha Suzuma

O Livro Proibido é bom? Tabitha Suzuma
Livro "Proibido" da Tabitha Suzuma e Editora Valentina

O Livro Proibido é bom? Tabitha Suzuma
Proibido da Tabitha Suzuma

Você está disposta a mergulhar neste mar de emoções?

5 COMENTÁRIOS:

  1. Oi Mar!
    Nunca vi um livro que abordava sobre incesto e isso me deixou curiosa para ler, mas eu fico com um pé atrás por ser dramático, admito que não consigo pois eu gosto de finais felizes kkkkk'
    Vou pensar muito antes de comprar este livro, mas acredito que irá valer a pena.

    Beijinhos.

    ResponderExcluir
  2. Eu vou, VOU!, ler esse livro um dia. Lembro de quando a mesma amiga que me recomendou "Proibido" me mandou ler "Por lugares incríveis". Sabendo do emocional do livro enrolei até o dia perfeito para a leitura e foi maravilhoso. Ainda espero o dia em que o dia de Proibido chegará. Porque não adianta! Eu tenho aqueles dias em que alguns livros simplesmente não se encaixam com o humor e aqueles dias em que eu não posso ler um livro muito emocional porque eu entraria numa depressão literária e demoraria mais de uma semana pra sair e isso NÃO pode acontecer!
    PROIBIDO SEU DIA CHEGARÁ!!

    Beijos <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. sahusauhsuhauhsa faz completamente sentido!

      Excluir
  3. Oi!
    Esse livro é extremamente intenso.
    Me via divida entre torcer pelos dois e não torcer. Queria entrar no livro e estapear a mãe deles. Meu Deus!!!! Que mulher horrível!!!
    Beijão!

    ResponderExcluir
  4. Não me canso de dizer que esse livro é o melhor que já li e concordo com você quando diz que o foco deve ir além do tabu que envolve a obra. Na verdade são tantas coisas importantes, e descritas com uma intensidade tocante, que fica até difícil citar apenas uma ou outra coisa.
    Aliás, tenho muita vontade de reler o livro, mas é algo para se fazer em outro momento.

    Beijos,
    Ricardo - www.overshockblog.com.br

    ResponderExcluir

Olá, escreva o quanto e o que você puder...

 
Design exclusivo | Cópia proibida © 2016