Louca sua miga

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Resenha do livro "Cartas de Amor aos Mortos", de Ava Dellaira


Olá, pessoal, como vocês estão? Espero que bem. Hoje minha resenha é do livro Cartas de Amor aos Mortos; uma obra diferente de tudo que já li e está na minha lista de favoritos.
Título: Cartas de Amor aos Mortos
Autora: Ava Dellaira
Editora: Seguinte
Ano: 2014
Gênero: Infanto-Juvenil / Drama
Classificação:  
Desde o lançamento desse livro aqui no Brasil tenho lido resenhas muito positivas sobre ele, e cada vez ficava mais curiosa. Acabei ganhando e assim que recebi, comecei a leitura imediatamente. Já tinha altas expectativas e não me decepcionei em nenhuma linha do livro. Amei do começo ao fim.
"Todos nós queremos ser alguém, mas temos medo de descobrir que não somos tão bons quanto todo mundo imagina que somos." (pág. 149)
Prestes a entrar para o ensino médio, Laurel se vê obrigada a lidar com inúmeras mudanças na sua vida - seus pais se separaram e sua irmã mais velha, May, faleceu. Mas ela não perdeu somente a irmã; perdeu sua melhor amiga, sua heroína, sua inspiração. Como se não bastasse, sua mãe resolve viajar para Califórnia, a fim de tentar superar a perda da filha (que tipo de mãe abandona uma filha para lidar com a morte da outra???), deixando Laurel sozinha para encarar as dificuldades de uma família totalmente desestruturada.
Em uma nova escola, ela precisa fazer novos amigos e contar com eles para conseguir passar por essas situações e se manter firme. E é nessa escola que ela recebe a primeira tarefa do ano letivo: escrever uma carta a alguém que já morreu.
"É triste quando todo mundo sabe quem você é, mas ninguém te conhece." (pág. 210)
"Acho que há muito tempo estou tentando me sentir como acho que devo, em vez de ser quem realmente sou." (pág. 274)
Laurel endereça sua primeira carta a Kurt Cobain, ídolo de sua irmã May. A partir daqui, o que era para ser uma simples tarefa da escola, se transforma em uma válvula de escape para ela lidar com seus sentimentos em relação a essa nova fase da sua vida, através da sua comunicação unilateral com celebridades que tragicamente já se foram. Por meio delas, percebemos que Laurel é uma garota que carrega muita culpa no que se refere à morte da irmã e, assim, fica presa nesse luto mal resolvido.
"- Por que algumas coisas são mais difíceis de perder que outras? (...)
- Por causa do amor, claro. Quanto mais se ama alguma coisa, mais difícil é perder." (pág. 19)
A narrativa epistolar em primeira pessoa permite que o leitor, desde as primeiras páginas, consiga compreender o amor e adoração que Laurel ainda sente por May. É incrível como a autora escreve de forma capaz de fazer o leitor sentir o sofrimento da personagem. Inúmeras vezes tive vontade de entrar no livro e abraçar Laurel, cuidar dela e tentar amenizar seu sofrimento.
"(...) me fez lembrar da sensação de ver o pôr do sol - você fica maravilhado com uma coisa tão linda e, ao mesmo tempo, sabe que aquela cena só vai durar um instante." (pág. 151)
Ainda temos Sky, um garoto por quem Laurel nutre um sentimento, e que dá uma pitada de romance a obra. Ele, juntamente com seus novos amigos, oferecem suporte a Laurel. e a sensação que tive, é que eles formam o conjunto perfeito de melhores amigos. Cada um tem seus dramas, porém eles permanecem juntos, e vemos que cada um sempre age de forma a apoiar o outro, conforme necessário.
"Sabe por que se apaixonar é o que pode acontecer de mais profundo com uma pessoa? Porque quando estamos apaixonados, estamos totalmente em perigo e completamente salvos, os dois ao mesmo tempo." (pág. 158)
Ao longo da obra acompanhamos o amadurecimento da protagonista e a evolução dos seus sentimentos, até ela perceber que está enfrentando as situações de maneira incorreta e consequentemente afetando todas as pessoas ao seu redor. E aos poucos ela começa a se libertar, timidamente contando o que aconteceu com ela, seja por cartas aos mortos, ou para os seus novos amigos.
"E talvez amadurecer signifique que você não precisa ser uma personagem seguindo um roteiro. É saber que você pode ser a autora." (pág. 312)
Cartas de Amor aos Mortos é a obra que trata, principalmente de superação. A leitura me tocou profundamente abordando assuntos delicados e polêmicos muito presentes na nossa atualidade. Passa uma mensagem incrível sobre as formas como as pessoas enfrentam ou não o luto; como algumas não se sentem preparadas para falar sobre seus problemas, por mais sérios que sejam. Além disso, mostra a importância de ter pessoas queridas ao seu lado; o quão necessários são os amigos nas horas de dificuldade.
"Muitas coisas não são justas. Acho que podemos ficar bravos para sempre ou simplesmente tentar melhorar o agora." (pág. 296) 
Demorei mais do que o normal para ler esse livro porque achei a leitura bastante densa. Com alguns segmentos reflexivos que exigiram que eu parasse e pensasse realmente no que estava escrito. Amei do começo ao fim; sofri junto com a personagem, sorri e chorei. Acho que a melhor palavra para definir a obra é: profundo! Leitura mais que recomendada!
"Mas acho que a grande coragem é perceber que, por mais oceanos que eu atravesse, a verdade, simples e boba, vai sempre estar do outro lado." (pág. 304)



2 COMENTÁRIOS:

  1. Esse livro me parece ser bastante interessante
    Essa capa já é bem chamativa e a resenha ficou ótima

    Beijos
    http://pocketlibro.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Oi Duda , que saudades, estou louca para ler este livro mas prometi a mim mesma que vou ler os que tenho guardado primeiro, a vida nada corrida kkk beijoss

    http://jessicacharlanie.blogspot.com

    ResponderExcluir

Olá, escreva o quanto e o que você puder...

 
Design exclusivo | Cópia proibida © 2016