Louca sua miga

quarta-feira, 16 de julho de 2014

Resenha do Livro Cidades de Papel - John Green

Cidades de Papel"Cidades de Papel" foi um dos livros mais marcantes que eu li. Não sei se o que senti foi pelo momento complicado da minha vida ou se todo mundo sente o que eu experimentei. Eu dei a volta no meu coração e um nó em meu cérebro. Ele me fez acreditar que eu não sou feliz e que estou buscando felicidade em lugares errados. Foi um dos livros mais profundos que eu já deixei meus olhos percorrerem e eu vou explicar por que.
Título: Cidades de Papel
Autor: John Green
Editora (Brasil): Intrínseca
Gênero: Young Adult
Classificação
Em uma noite, a vizinha de Quentin, Margo Roth Spielgman, aparece em sua janela e o convida para sair pelas ruas de sua cidade. Ela não o informa de primeira o que farão, mas ele vai. Afinal, ele acha Margo linda e interessante. Ele realmente quer ir. Mas, Quentin não esperava que um dia depois a menina fugisse de casa e deixasse pistas para ele encontrá-la. Quentin se vê perdido, não a entende e não tem ideia do destino dessa viagem. Ele tenta encontrá-la e mergulha em teorias e pistas que, aparentemente, não levam a lugar nenhum. Mas, talvez, essa viagem o faça conhecer quem é a verdadeira Margo. "O faça ver janelas e não espelhos." Meu Deus! Como esse livro foi... emocionante!



O que parecia uma aventura de adolescentes, se tornou uma das maiores lições de vida pra mim. Margo é uma menina que, digamos, é complicada. Questiona tudo, e até mesmo a felicidade. Não é satisfeita com a sua vida e o jeito como ela a leva. Em meio a reflexões, essa busca maluca mostra a Quentin que as pessoas não são felizes, são superficiais, e que elas forçam as outras a serem como elas querem. Enxergam as outras pessoas como elas acham conveniente. Por isso, nunca chegam a conhecer de verdade uma pessoa. Apenas reflexos da própria mente.

[...] sem eu dizer algo que estragasse o momento, os olhos dela me encarando de volta  como se houvesse algo em mim que valesse a pena ser visto. (Pág.78)
Clique em "Continue Lendo" para ler mais.



_Quanto mais eu trabalho, mais eu percebo que os seres humanos carecem de bons espelhos. É muito dificil para qualquer um mostrar a nós como somos de fato, e é muito difícil para nós mostrarmos aos outros o que sentimos. 
_ Que lindo - disse minha mãe. Eu gostava que eles gostassem um do outro. _ Mas será que isso não é porque, em algum nível fundamental, achamos difícil entender que o outro também é um ser humano tal como nós? Ou nós idealizamos como deuses ou os dispensamos como animais. 
_ Verdade. A consciência não é uma boa janela. (Pág.227-228)
Sempre tive a ideia que Young Adult fosse um gênero com textos infantis, bobos e com histórias clichês. Afinal, para quê fazer um jovem refletir sobre a vida? Sobre a felicidade? Quando tudo o que ele quer é ter sentimentos à flor da pele? John Green simplesmente desmitificou o gênero. Apesar de ter sido o primeiro livro que li do autor, ele subiu no meu conceito. Aliás, cinco estrelas no meu conceito! Com uma narração de dar inveja, John Green produziu uma obra que chega a ser uma leitura complicadinha, alguns trechos tive de reler para entender.  Apesar de ser para jovens, todas as idades deveriam ler "Cidades de Papel". É incrível.

Achei aquilo perfeito: você ouvia as pessoas para enxergá-las, e ouvia todas as coisas horríveis e todas as coisas maravilhosas que ela faziam consigo e com os outros, mas, no final das contas,ouvir faz com que se exponha muito mais do que  as pessoas a quem se estava tentando escutar. (Pág.246)

Eu queria colocar cinquenta partes do livro para completar essa resenha. Pensei em dar "palhinhas" para você entender o que a obra me fez sentir. Mas só então depois de reler as frases soltas, que escolhi como quotes, percebi que é o contexto que faz sentido, o todo e não as partes. Eu teria que colocar o livro inteiro nessa postagem e seria "quebra de Copyright". Você precisa ler o livro inteiro para sentir o que eu senti. Viver o que eu vivi.


A cidade era de papel, mas as memórias, não. (Pág.260)

3 COMENTÁRIOS:

  1. Visite The Imaginary Own: www.imaginaryown.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Sem dúvidas um livro extremamente marcante! Senti o mesmo que você.

    http://paginasefrases.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Muito bom, mas confesso que esperava mais,
    tem resenha dele no meu blog, vem visitar também ??

    www.vidadeleitora.com

    ResponderExcluir

Olá, escreva o quanto e o que você puder...

 
Design exclusivo | Cópia proibida © 2016