Louca sua miga

sexta-feira, 2 de agosto de 2013

Resenha do Livro "Cilada" de Harlan Coben

Uma repórter disposta a investigar a vida de pedófilos e dicidida a apontar provas contra esses criminosos em Rede Nacional. Um homem empenhado no seu cargo de Assistente Social. Indivíduo, este, que, pelo menos aparentemente, auxilia adolescentes e crianças a formarem caráter e se desenvolverem. Uma denúncia que muda o rumo dessas pessoas. Uma pergunta em forma de zumbido que não é enterrada, "É ou não inocente?".
Título: Cilada
Autor: Harlan Coben
Páginas: 271
Editora: Arqueiro/Sextante
Ano: 2010
Classificação:
Essa repórter tem nome, Wendy Tynes. E esse homem, também, Dan Mercer. Tynes elabora uma cilada para o assistente social com o objetivo de denunciar mais um abusor no programa de Tv em que trabalha.  Para arquitetar o plano e fazer Mercer tropeçar na armadilha, Tynes  o chama para uma casa às escondidas e, para isso, se passa por uma adolescente no SocialTeens, uma Rede Social. Ele aparece no local e na hora marcada. Tudo indica que ele é mais um pedófilo acusado em Rede Nacional por Wendy. Mas o que talvez essa mulher descubra, é que ela arquitetou uma cilada para um inocente. Essa dúvida vai perdurar até a última página. E você só descobre a verdade, caso conclua a leitura do livro.


Antes de qualquer coisa, devo admitir que a recaída por livros do Harlan é grande. Já li quatro obras do autor, tais como "Confie em Mim", "Quando Ela se Foi", "Refúgio" e "Não Conte a Ninguém".  E, todas essas, surpreenderam-me de tal forma que me declarei fan de Coben.

Ninguém consegue se ouvir no meio de tanto barulho. (Pág.158. Linha.32.)

Um tópico interessante para ser ressaltado na resenha de "Cilada" é que muitas personagens são retomadas, por exemplo, Hester Crimstein, a famosa advogada e apresentadora de programa em território americano. Não foi a primeira vez que li sobre essa mulher nos livros de Harlan Coben, mesmo eles sendo independentes.  Além de Crimstein, nota-se a presente de Win e Terese Collins - Dessa eu me lembro bem - depois do final de "Quando Ela se Foi" nunca a esquecerei.


Chega de fingimento. A prostituta morta iria ganhar, quando muito, dois parágrafos no pé da página de um jornal local, enquanto emissoras de TV do país inteiro haviam anunciado o desaparecimento de Haley. Então? Era óbvio, não era? Por que ninguém dizia? (Pág.94. Linha.14.)


"Cilada" é um ótimo livro. Um suspense com todas as partes encaixadas em um perfeito quebra-cabeça. No entanto, há outros livros melhores que este de autoria de Harlan. Não sei se a expectativa foi grande ao ponto de me fazer esperar mais que o oferecido. Aliás, era o meu Harlan Coben, o predileto dos prediletos.  Além disso, por toda essa paixão pela escrita "Cobeniana", fui animada a ler por indicação de amigos, os quais me disseram que era a melhor obra de Harlan - E eu não aceito que me digam que há uma obra como "melhor de todas" que eu não tenha lido. Então, logo adquiri o livro e pensei que fosse ultrapassar todo tipo de expectativa.


Frank havia orado, mas suas preces tinham sido inúteis. Deus sabe o que faz, certo? Tem um plano. Ora, se é assim, o que uma merda súplica poderia fazer para mudar o que Ele deciciu? [...] Era inacreditável que, diante de histórias como essas, as pessoas ainda tivessem fé na oração. (Pág. 93. Linha.36.)

Veja, "Cilada" é perfeito e não há nenhuma parte "voando". Pelo menos não encontrei. O mistério foi preenchido e respondido completamente nas últimas páginas. Por isso quase dei todas as estrelas da classificação do blog. Só não atribui o livro como cinco estrelas pois, como disse anteriormente, não é o melhor de Harlan.

Às vezes... ou quase sempre... não existe um porquê. (Pág.177. Linha.11.)

0 COMENTÁRIOS:

Postar um comentário

Olá, escreva o quanto e o que você puder...

 
Design exclusivo | Cópia proibida © 2016